Help! – Composições autobiográficas na trilha do segundo filme dos Beatles

Após o sucesso de “A Hard Day’s Night”, lançado no ano anterior, a United Artists tratou de providenciar um novo filme para os Beatles. A intenção, claro, era explorar o máximo do sucesso que a beatlemania fazia em todo o mundo. Para isso, os Beatles repetiriam a fórmula do primeiro filme, lançando um disco com a trilha sonora no lado A e outras canções inéditas no lado B.

Com o título provisório de “Eight Arms to Hold You”, o filme começou a ser produzido em fevereiro, sob a direção de Richard Lester, que já havia dirigido “A Hard Day’s Night”. A diferença é que no novo filme, os Beatles não são perseguidos por fãs histéricas e sim por membros de uma seita que pretende oferecer uma vida em sacrifício, mas a pessoa precisa estar usando um anel, que por acaso acaba em um dos dedos de Ringo e não sai de jeito nenhum. Entre perseguições, fugas e explosões, as filmagens duram em torno de quatro meses, contando com locações em Londres, Bahamas e Alpes Suíços. Toda essa estrutura teve um orçamento duas vezes maior que “A Hard Day’s Night”.

Já com o novo título escolhido tanto para o filme, quanto para o disco, os Beatles precisaram correr contra o tempo para finalizar o álbum e lança-lo no prazo estipulado. O disco foi gravado entre 15 de fevereiro e 17 de junho; sendo lançado em 6 de agosto de 1965. As canções, muito mais maduras, mostravam o quanto a banda estava evoluindo, com letras autobiográficas, melodias muito bem elaboradas, novos efeitos e arranjos mais complexos, que contavam com diversos músicos de estúdio.

Help! – (Lennon/McCartney)
Gravação: 13 de abril de 1965

Faixa-título do disco e do filme. Apesar de ser uma canção com forte apelo comercial, era uma das composições preferidas de John. A letra mostra o quanto ele estava deprimido e assustado com o rumo que sua vida tinha tomado.

The Night Before – (Lennon/McCartney)
Gravação: 17 de fevereiro de 1965

Composição de Paul que faz o vocal principal. John e George fazem os backing vocals. A gravação ainda conta com John Lennon no piano elétrico.

You’ve Got to Hide Your Love Away – (Lennon/McCartney)
Gravação: 18 de fevereiro de 1965

Composição de John, inspirado em Bob Dylan. Apesar de ter sido escrita especialmente para o filme, a letra também fala das emoções de Lennon, que estava desenvolvendo sua forma de compor sobre o que sentia. A canção conta com instrumentos acústicos e dois flautistas participam da gravação. Pela primeira vez, desde “Love Me Do”, músicos de estúdio são usados em um disco dos Beatles. O arranjo das flautas foi criado pelo maestro John Scott, apesar de não constar nos créditos do disco.

I Need You – (Harrison)
Gravação: 18 de fevereiro de 1965

Segunda composição creditada a George em um disco dos Beatles (a primeira foi “Don’t Bother Me”, no With the Beatles). George fez a canção para sua namorada, a modelo Pattie Boyd. A gravação contou com o recém-adquirido pedal de volume e a canção marca a fase em que George começa a se desenvolver também como compositor.

Another Girl – (Lennon/McCartney)
Gravação: 15 e 16 de fevereiro de 1965

Composição de Paul, que além de cantar e tocar contra-baixo, pela primeira vez grava também a guitarra solo. Lembrando que Paul já tocava guitarra antes e só se tornou baixista porque Stuart Sutcliffe saiu do grupo, ainda nos tempos de Hamburgo.

You’re Going to Lose That Girl – (Lennon/McCartney)
Gravação: 19 de fevereiro de 1965

Composição de John que conta com os backing vocals de Paul e George. Paul também toca piano, além do contra-baixo e Ringo toca bateria e bongôs.

Ticket to Ride – (Lennon/McCartney)
Gravação: 15 de fevereiro de 1965

Composição de John, que considerava a música bem pesada para a época. A bateria também era inovadora, mostrando que Ringo estava acompanhando a evolução criativa dos outros músicos. Paul toca guitarra solo, além de contra-baixo.

Act Naturally – (Morrison/Russell)
Gravação: 17 de junho de 1965

O cover da canção gravada originalmente por Buck Owens substituiu “If You Got Trouble”, composta por John e Paul especialmente para Ringo, mas deixada de lado em cima da hora. Em “Act Naturally”, Ringo faz o vocal principal e Paul faz a segunda voz. A guitarra de George dá o clima country que tanto combina com a voz do baterista.

It’s Only Love – (Lennon/McCartney)
Gravação: 15 de junho de 1965

John não gostava desta sua composição, que inicialmente se chamava “It’s a Nice Hat” (“É um belo chapéu”). A versão instrumental foi incluída no álbum que trazia a trilha original do filme. George usa um novo efeito na guitarra, produzindo uma espécie de vibrato.

You Like Me Too Much – (Harrison)
Gravação: 17 de fevereiro de 1965

Outra bela composição de George, que faz o vocal principal, acompanhado de Paul na segunda voz. Paul e George Martin dividem o piano Steinway e John toca o piano elétrico.

Tell Me What You See – (Lennon/McCartney)
Gravação: 18 de fevereiro de 1965

Composição de Paul, que faz o vocal acompanhado de John Lennon. Na falta de um reco-reco, John faz o som em uma tábua de lavar roupa, lembrando as antigas bandas de Jazz e Blues.

I’ve Just Seen a Face – (Lennon/McCartney)
Gravação: 14 de junho de 1965

Composição de Paul, gravada somente com instrumentos acústicos. Antes de receber letra, a composição era chamada de “Aunt Gin’s Theme”; ou seja, “Tema de tia Gin”. George Martin lançou uma versão instrumental com esse título.

Yesterday – (Lennon/McCartney)
Gravação: 14 de junho de 1965

Pela primeira vez, só um Beatle aparece numa canção. A composição inicialmente chamada de “Scrambled Eggs” (“ovos mexidos”), surgiu enquanto Paul acordava e para ter certeza de que a música não era de ninguém, precisou mostrar para várias pessoas pelos corredores da gravadora; dentre elas, Eric Clapton, que ainda não era tão conhecido. Após confirmar que a composição tinha surgido naturalmente em sua cabeça, Paul criou a letra e a canção foi gravada apenas por ele, acompanhado por um quarteto de cordas. “Yesterday” foi considerada a composição mais importante do século XX e está entre as músicas mais regravadas do mundo, tendo mais de 2.000 versões. Dizem que Paul coleciona as gravações que outros cantores fazem desta canção.

Dizzy Miss Lizzy – (Williams)
Gravação: 10 de maio de 1965

A canção de Larry Williams era um dos grandes sucessos dos tempos do Cavern Club e ficou muito bem na voz de John que também tocou o órgão Hammond. Apesar de ser considerado o último cover gravado pelos Beatles, eles ainda lançariam anos mais tarde, no disco Let it Be (1970), a versão de uma canção tradicional de Liverpool, chamada “Maggie Mae”.

O disco Help! chegou ao topo das paradas britânicas na semana de seu lançamento e permaneceu lá por 11 semanas. Nos Estados Unidos, o disco foi lançado em 13 de agosto e trazia as 7 canções do filme, mais 6 faixas instrumentais, conduzidas por Ken Thorne. Para o lançamento deste disco, a Capitol (gravadora responsável pelos lançamentos dos Beatles nos EUA) recebeu uma encomenda até então inédita: 1 milhão de cópias, antes mesmo do lançamento. Em 4 de setembro de 1965 o disco chegava ao topo das paradas americanas.

No Brasil, a Odeon lançou o disco com a trilha sonora do filme e aproveitou para encaixar algumas músicas lançadas em compactos que ainda eram inéditas por aqui.

Help! também influenciou o roteiro do filme de Roberto Carlos, dirigido por Roberto Farias em 1967. “Roberto Carlos em Ritmo de Aventura” tinha um enredo muito parecido com “Help!”; com perseguições pelo Rio de Janeiro e capangas tentando seqüestrar o cantor. A história conta a tentativa de fazer um filme com o Roberto Carlos (é, um filme dentro do filme!) e uma quadrilha internacional se aproveita das gravações para chegar ao protagonista, armando explosões e troca de tiros. Tudo acompanhado de uma trilha sonora que o cantor lançou no mesmo ano. É mais um exemplo da influência dos Beatles na cultura brasileira.

Na capa, ao contrário do que muita gente pensa, os sinais que os Beatles fazem não formam nenhuma palavra e não têm nenhum significado. Foram movimentos aleatórios, importando apenas a boa aparência na foto. Além disso, nas milhares de versões que saíram por todo o mundo, a capa sofreu várias modificações, chegando até a inverter alguns dos Beatles.

O disco é um anúncio de que os quatro rapazes de Liverpool estavam em um incrível desenvolvimento musical, usando cada vez mais das técnicas de estúdio e lançando verdadeiros clássicos que mesmo depois de tantas décadas, permanecem atuais e servem como influência para novos grupos. Help! representa a transição musical da banda, saindo da ingenuidade do ié, ié, ié para uma fase muito mais madura e criativa.

Leia análises anteriores:

– Beatles For Sale

– A Hard Day’s Night

– With The Beatles

Por Edcarlos da Silva

9 Respostas para “Help! – Composições autobiográficas na trilha do segundo filme dos Beatles

  1. You like me too much é uma das minhas preferidas, e não fazia ideia de que era uma composição do George, muito boa!

  2. Matéria excelente e recheada de fatos novos pra mim, até então. Parabéns, meu caro amigo!

  3. Excelente matéria! Vocês são que nem os Beatles… a cada dia estão cada vez melhores!

  4. É por essas e mais algumas razões que Help! é meu filme, e no momento, meu disco preferido. 8D. Fiz um trabalho sobre ele para o colégio… Beatles na escola. Oi.

  5. Novidades sobre os Beatles
    Segue abaixo Email sobre uma lojinha virtual
    de camisetas dos beatles.
    http://www.elo7/strawberryfieldsshop
    Aos cuidados de Antônio Barros
    anthoniobarros@gmail.com

  6. adorooo o album, adorooo o filme, adorooo a musica
    help! pra mim foi a minha certficação que meu futuro era ligado aos Beatles
    já vi o filme umas 20 vezes sendo que 19 no youtube legendado e a minha primeira vez no multishow que passou durante o aniversario do inicio da banda
    adorooooooo

  7. eu assiti esse filme I-N-C-R-Í-V-E-L, muito bom adorei

  8. Adoro o album e o filme *-*

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s