Os 47 anos da revolução do mercado fonográfico

1, 2, 3 e… JÁ!

Olá pessoal,
aqui é o Edcarlos, da comunidade “The Beatles College”. Estarei participando do blog “Beatles to the People”, fazendo uma análise mais profunda sobre os discos dos Beatles e comentando sobre a influência do Fab Four na indústria fonográfica.

É muito difícil falar sobre a discografia dos Beatles sem ser repetitivo. Hoje, 40 anos após a separação, milhares de livros e reportagens já contaram sobre o dia-a-dia do grupo nos estúdios Abbey Road; onde realizaram a maior parte de suas gravações.

Por outro lado, existem novas gerações de fãs, que aproveitam das facilidades da tecnologia atual para entenderem a importância que o Fab Four teve na cultura geral do século XX.

Passados tantos anos da explosão da Beatlemania, para termos uma noção do impacto que o movimento causou no mundo, é necessário que se entenda um pouco sobre a maneira que os Beatles, juntamente com o empresário Brian Epstein e o produtor George Martin atuaram no mercado fonográfico da época; já que a indústria musical se renovava praticamente a cada lançamento da banda.

Sendo assim, é interessante começarmos falando do primeiro álbum dos Beatles, intitulado “Please Please Me (with Love Me Do and 12 others songs)”, lançado em 22 de março de 1963 e que serviu de base para uma das carreiras mais brilhantes da história da música.

George Martin, maestro e produtor do selo Parlophone, pertencente à gravadora EMI, foi quem percebeu o potencial do grupo e resolveu apostar nos Beatles, que já haviam sido recusados anteriormente por outras gravadoras. A ideia de Martin era transportar para o disco, o clima dos shows dos Beatles em Liverpool. Chegaram até a cogitar a hipótese de um álbum ao vivo, gravado no Cavern Club, local onde a banda tocava; mas a acústica não permitia uma gravação de qualidade. Sem contar o espaço que era muito apertado, impedindo o uso dos equipamentos de gravação. Por fim, chegaram a conclusão que o melhor seria uma gravação em estúdio, mas como se fosse ao vivo. Isso traria duas vantagens: A performance da banda, executando as canções como em um show e também o ganho de tempo, já que a gravadora queria um LP o quanto antes, para aproveitar o embalo das vendas dos dois singles anteriores (o primeiro foi Love Me Do / P.S. I Love You e o segundo, Please Please Me / Ask Me Why).

Mesmo prevendo o sucesso que seria a banda, muito pouco foi investido por parte da gravadora que cedeu apenas 1 dia para gravarem o disco. Apesar da dupla Lennon & McCartney ter um bom acervo de composições, o produtor George Martin optou por alguns “covers” de canções que eles já tocavam em Liverpool. Muito pouco “overdub” foi incluído às gravações, de forma que o disco foi produzido praticamente todo ao vivo, acrescentando apenas palmas, piano e percussões em algumas faixas.

Ao fim de 16 horas, George Martin tinha material suficiente para um LP: 10 faixas, sendo 4 de composições de Lennon e McCartney. As 4 canções que haviam sido lançadas em singles (também de autoria de Lennon e McCartney) seriam incluídas ao disco, concluindo assim, as 14 faixas:

I Saw Her Standing There – (Lennon-McCartney)

Os Beatles abrem o disco e iniciam sua história com uma contagem. A canção escrita por Paul em 1962 tinha o título provisório de “Seventeen” e foi escolhida para abrir o disco, por se tratar de um belo rock, influenciado pelos grandes nomes dos anos 50, principalmente Chuck Berry (a linha de baixo é idêntica a “Talkin’ About You”, de Berry). A contagem de Paul não é do mesmo take. George Martin incluiu depois, na mixagem, por achar que era uma boa maneira de iniciar o primeiro disco do grupo.

Misery – (Lennon-McCartney)

Essa canção foi composta para ser gravada por Helen Shapiro, a jovem cantora que fazia turnês com os Beatles nessa época. O piano, tocado por George Martin, foi incluído após as sessões de gravação (overdub).

Anna (Go To Him) – (Arthur Alexander)

Belíssima balada que já havia sido gravada no ano anterior por seu próprio compositor, Arthur Alexander, grande nome do Rhythm & Blues e que John era fã.

 

Chains – (Goffin-King)

Composição de Carole King e sucesso com o grupo “The Cookies”. Foi gravada pelos Beatles com George no vocal principal. Ao todo, foram feitos 4 takes dessa música, mas o escolhido para o disco foi o primeiro.

Boys – (Dixon-Farrell)

George Martin também quis aproveitar a versatilidade de Ringo e incluiu esse cover que o baterista fazia antes mesmo de entrar para os Beatles. A gravação foi feita em um só take e trás um instrumental bem vigoroso.

 

Ask Me Why – (Lennon-McCartney)

Bela harmonia composta por John Lennon em 1962, inspirado em Smokey Robinson. A canção já havia sido lançada como lado B do 2º compacto, que tinha Please Please Me no lado A.

Please, Please Me – (Lennon-McCartney)

Faixa-Título do álbum e primeiro hit da banda. A canção com arranjo simples foi composta para ser uma música lenta, inspirada em Roy Orbinson, mas aconselhados por George Martin, acharam melhor acelerá-la. A harmônica (gaita de boca) incluída na gravação, se tornaria uma marca dessa primeira fase da banda. O título apresentava o famoso jogo de palavras que John tanto gostava de usar.

 

Love Me Do – (Lennon-McCartney)

Música composta por Paul e que já havia sido lançada como primeiro single da banda. No compacto lançado em 1962, Ringo toca bateria. Mas George Martin ainda não estava completamente satisfeito com o baterista e chamou Andy White, um músico de estúdio, para tocar o instrumento na versão que foi para o disco. Aqui, Ringo só toca pandeiro e por anos ficou magoado com George Martin pela falta de confiança.

 

P. S. I Love You – (Lennon-McCartney)

Composta para o lado B do compacto com Love Me Do, mais uma vez Andy White toca bateria e Ringo toca maracas (um instrumento de percussão). A baladinha cantada no estilo “Elvis” foi escrita por Paul em 1961, para uma namorada que ele tinha na época.

 

Baby, It’s You – (David-Bacharach-Williams)

Gravado originalmente pelo grupo vocal feminino “The Shirelles”. Aqui, Lennon faz o vocal principal numa belíssima interpretação e Martin acrescenta o piano após as gravações. Um de seus compositores, Burt Bacharach, viria a fazer bastante sucesso como cantor nos anos seguintes.

Do You Want To Know A Secret – (Lennon-McCartney)

Canção feita especialmente para o grupo Billy J. Krammer & The Dakotas, que colocou a canção em 1º lugar. Interpretada aqui por George, a música foi composta por John logo após seu casamento com Cynthia e inspirada nas canções infantis que sua mãe cantava para ele dormir.

A Taste Of Honey – (Marlow-Scott)

A única canção do álbum que apresenta “overdub” nos vocais foi composta por Bobby Scott Combo para o filme homônimo, lançado em 1961. Entrou para o disco por ser uma das favoritas de Paul na época em que faziam shows no Cavern Club. John odiava a canção e dizia que ela deveria se chamar “A Waste of Money” (um desperdício de dinheiro).

There’s A Place – (Lennon-McCartney)

Considerada a primeira composição mais “séria” da dupla, a música foi inspirada no disco “There’s A Place For Us” de Leonard Bernstein, com um clima mais “Rhythm & Blues”, presente em grande parte das composições de John Lennon.

Twist And Shout – (Russell-Medley)

O cover que os Beatles transformaram em um clássico do rock and roll. Martin a deixou para o final porque John certamente não conseguiria cantar mais nada após sua gravação. A música deveria sair perfeita logo na primeira tentativa, já que John estava com gripe e sem voz e dificilmente suportaria cantar outra vez. O resultado é um excelente rock and roll com Lennon praticamente gritando pra alcançar o tom da música.

Resumindo, “Please Please Me” é um retrato do início dos anos 60, recheado de baladinhas e Rhythm & Blues. Podemos considera-lo um excelente trabalho, tendo em vista a pressa e a falta de investimento por parte da gravadora.

O disco serviu para mudar o conceito que o mercado fonográfico tinha com relação aos LPs. Tudo girava em torno dos compactos, com apenas duas músicas; o que era muito mais fácil de divulgar e vender. Mas em pouco mais de um mês de lançamento, Please Please Me atingiu o 1º lugar nas paradas britânicas, permanecendo por 29 semanas. Era o início de uma nova fase para a indústria da música.

Por Edcarlos da Silva

Anúncios

5 Respostas para “Os 47 anos da revolução do mercado fonográfico

  1. Parabéns,a coluna tá demais!Já começou muito bem!

  2. Muito bom Ed, ótimo começo mesmo!!
    Parabéns.

  3. Parabéns Ed, o texto ficou excelente!

  4. “(…)Do You Want To Know A Secret – (Lennon-McCartney) Canção feita especialmente para o grupo Billy J. Krammer & The Dakotas, que colocou a canção em 1º lugar. Interpretada aqui por George, (…)”.
    Billy J com os Dakotas deram a ela uma pegada mais pesada, muito boa. Permita-me discordar, mas é o John quem a canta no álbum Please… e não o George.
    Gostei do site. Vís amplexos virís, vis-à-vis…

  5. George Harrison canta “do you want to know a secret”. Em entrevista, John Lennon disse que fez esta musica com apenas 3 notas para George cantar.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s